São Luís

A linda cidade dos azulejos

Todos os domingos, após o sermão, temos um momento de oração. Agradecemos por algo aprendido na mensagem, mas também voltamos os olhos para a nossa cidade e pedimos a Deus por ela. Fazemos isso há mais de um ano.

O fato de incluirmos a “oração pela cidade” em nossa liturgia se dá por dois motivos: primeiramente, entendemos que Deus não nos coloca nos ambientes que ocupamos à toa. O bairro onde nos reunimos como igreja, a casa onde a nossa família mora, a academia na qual fazemos exercícios, a escola e o ambiente de trabalho que nos envolve são parte do eterno, sábio e santo decreto de Deus. Por causa disso, devemos encarar tais espaços como desafios e oportunidades de tornar Jesus conhecido, e servir ao Senhor, à igreja, e ao próximo. Oramos por São Luís a cada domingo por entender que Deus nos colocou aqui a fim de honrarmos o Seu nome entre as praias e becos; entre o shopping da ilha e o São Luís shopping; entre a avenida dos portugueses e a dos africanos; no Renascença ou na Cohama.

A segunda razão é subproduto da primeira. Se Deus nos colocou aqui com um propósito, então a nossa postura diante da cidade não pode ser de fuga, ressentimento e ódio. Fomos chamados, à luz de Jeremias 29, para servir à cidade a partir de um coração genuíno – precisamos amar São Luís. O gesto colocar diante de Deus a nossa terra envolve lamentar por suas mazelas, e agradecer a sua beleza. Pedimos a Deus por nosso trânsito; oramos por nossos governantes; clamamos por nossas escolas; agradecemos por nosso clima. Orar por São Luís é reconhecer que Aquele que nos colocou aqui é o único capaz de sarar as doenças do nosso povo. É também reforçar, domingo após domingo, o nosso compromisso com o lugar de Deus para nós.

Neste aniversário de São Luís, desejamos que o amor pela cidade nos leve a apreciá-la, servi-la, e orar por ela.

Feliz aniversário, ilha do amor!