AS ROTINAS DA SUA CASA

Uma tarde ensolarada e a visão de uma simpática igreja aberta. Sabia duas coisas sobre ela:

a) era uma igreja católica romana (localização e arquitetura), e

b) ela operava nos moldes antigos (sempre aberta). Não sei se continua aberta… mas entrei.

Outras pessoas entravam também. As que faziam o sinal da cruz deviam ser católicas ou já foram. As que não faziam qualquer sinal externo poderiam ser católicas afastadas, protestantes ou de nenhuma religião. Entretanto, todas repetiam a mesma cena: falavam baixinho e reclamavam com quem falasse um pouco mais alto.
Um sonho, não? Uma arquitetura que molda você a ficar em silêncio e ter respeito por aquela casa! Há rumores de que Winston Churchill teria dito: “Modelamos nossos prédios; depois disso, eles nos modelam”. Podem ser casas, hotéis ou edifícios, com o tempo eles nos modelam.
Por essa razão gostaria de saber qual história modela a sua casa. Mesmo trabalhando fora na maior parte do dia (e da noite em alguns casos), o seu lar é o seu reino. É o lugar em que você investe para que seus ritmos e rotinas estejam de acordo com o seu gosto.
Ali gastamos tempo e dinheiro fazendo com que as paredes tenham a cor escolhida, torcemos para que os móveis durem o tempo que o vendedor disse, e a TV tenha o tamanho certo! E não apenas isso. O banho tem certa duração, a hora de comer e as visitas à geladeira são rotinas conhecidas, e o wi-fi pode até ser o do vizinho… mas precisa funcionar!
Você já se perguntou que ritmos e rotinas estão por trás do funcionamento de sua casa? De que modo o seu lar está harmonizado com as realidades espirituais aprendidas na igreja? Ops… você não vai a uma igreja aprender do evangelho de Jesus? Então, com que realidade espiritual a sua família está habituada? Como a sua família revive e reencena o evangelho de Cristo no cotidiano? Ops… você não vai a uma igreja aprender do evangelho de Jesus? Como a sua família revive e reencena o evangelho do consumo?
Você percebe? Não estou questionando SE você possui uma rotina, um hábito, uma liturgia; apenas quero saber QUAL deles tem moldado a sua casa.
Ficaríamos felizes em poder compartilhar com o seu lar o evangelho de Jesus e conversar sobre as formas como ele molda os ritmos da nossa vida.
Rev. Tarcizio Carvalho

A VIDA ATRAVÉS DA MORTE

Ao ler a Bíblia depara-se com a questão do sacrifício de animais, um choque para a mentalidade atual. A pessoa vive por causa da morte de um animal em seu favor. Se o leitor puder ter acesso a outras literaturas perceberá que o sacrifício animal foi uma prática comum no mundo antigo. Ainda hoje é praticado em alguns lugares.
Alguns sustentam que Deus se amoldou às práticas de sacrifício conhecidas daquela época e então se deu a conhecer por este meio. Por esse raciocínio, Deus teria se revelado a Israel de uma forma compreensível a eles, com algo a que estavam acostumados.
Entretanto, há um questionamento que deve ser feito, que antecede o argumento acima. Por que diversos povos antigos, de diversas regiões utilizavam a prática do sacrifício de animais? A resposta pode vir a ser complexa, mas um dado parece claro – o sacrifício de animais tem uma origem. Assim, parece insatisfatório apenas dizer que Deus lançou mão de algo comum aos povos antigos!
Essa origem, um sacrifício que antecede o sacrifício de animais realizado por diversos povos, pode estar no evento que ocorreu no começo da história do mundo, de acordo com a narrativa bíblica, quando Deus vestiu o homem e a mulher que o desobedeceram, com peles de animais. Ou seja, um animal foi morto para que eles fossem vestidos. Ali pode estar a fonte de onde brotaram os sacrifícios dos povos que foram gerados e se espalharam pelo mundo.
O livro de Levítico, que vamos estudar este ano, mostra o momento histórico em que Deus organiza a antiga nação Israel, especialmente ensinando-a a prestar-lhe culto. Deus não estava simplesmente utilizando-se de algo que os povos costumavam utilizar; ao contrário, ele estava empregando alguma coisa que já utilizara.
O livro de Levítico, portanto, é um esclarecimento aos sacerdotes e a todo o povo, de como deveriam proceder. Diria que há em Levítico algo similar ao que Jesus fez quando disse: “vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados (…) mas eu lhes digo…” (Mateus 6.21, 22). Assim, o povo de Deus já havia visto muito sobre o tema no Egito e ouvido falar do que acontecia em Canaã. E você também já deve ter ouvido muito a este respeito, compreendendo ou detestando o assunto. Então venha conosco nessa jornada exploratória no livro de Levítico, pois ali Deus explica como os procedimentos devem ser, a fim de que sejam evitadas as distorções e esclarecidas as ações rituais aprovadas por ele.
Rev. Tarcizio Carvalho