Post Tenebras Lux

Sim, triste, é muito triste!
Ver o homem tão atribulado,
Caminhando sem olhar para o lado,
Como se Deus não existisse.

Julgando-se livre, segue escravo
Governado por seus sentimentos
Confundido em seus pensamentos
Vive sob a lei do pecado.

A felicidade sempre lhe escapa,
Um vazio lhe consome à prazo.
Faz de tudo para riscar do mapa
O que insiste em chamar de acaso.

Chora aturdido e desesperado
Vivendo distante do Bom Pastor,
Mas o que diz tal cabrito desgarrado
Perdido no pasto seco da dor?

“Não se faz necessária a cura,
Remédio é coisa de gente doente,
Eu mesmo selarei a rotura,
Pois sou médico e não paciente!”

Mas e se não precisa de cura,
Muito menos de um Salvador,
Por que continua à procura
De algo libertador?

Sim, é triste, muito triste
Ver pessoas dando golpes ao vento,
Olhar raivoso e punhos em riste,
Culpando a Deus por seus sofrimentos.

Seus lamentos são cheios de orgulho,
E mesmo em prantos recusam o lenço,
Arrebentados não se ouve o barulho
De nenhum contentamento.

Oh, mundo de tez serena e maciça,
De cuja beleza pelas mãos evapora,
Tuas trilhas são de areia movediça
Para quem o mapa ignora!

Sorris com dentes afiados,
Fumaça, vento e vapor destilas,
Enquanto buscam em ti aliados,
O Senhor de tudo, tudo aniquila.

Chegará o Rei, alma venturosa,
Com seu amor a tristeza dissipando,
O cabrito encontrará grama viçosa,
E o aflito não permanecerá chorando.

O abafamento perderá seu sentido,
Desmedido não valerá um centavo,
A sua voz encontrará o perdido,
Dando liberdade a quem foi escravo.

Pelos cravos, os cravos nas mãos,
Precioso sangue carmesim derramado,
Os inimigos são refeitos em irmãos,
Quando o orgulho pela fé for quebrado.

Sim existe, existe e resplandece,
Uma esperança segura e serena,
Uma amor que nunca condena.
Uma paz que jamais desaparece

Aos perdidos, “vinde a mim!”, diz Jesus
Para aqueles que se veem doentes,
Salvação aos que vivem descontentes,
Aos em trevas: Post tenebras lux!

Bruno Souza

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *